Queria ter sempre o teu olhar. Quando olhas para mim, sorris com os olhos, sempre. Olhas para mim e sabe tão bem, é tão bom sentir o amor no teu olhar.

Queria olhar sempre assim para as pessoas. Queria ver apenas as pessoas, bonitas e simples, e não ver passado, história ou preconceito.

Quando olhas para mim, vês apenas a tua mãe. Não vês as vezes que berrei contigo ou que fiz má cara. Nem as vezes que não tive paciência para ti, que olhei mas não te vi, que fiz de conta que te estava a dar atenção.

Queria ter o teu olhar e ver, simplesmente. Olhar e ver.

Às vezes, olho e não vejo. Não vejo as cores bonitas do teu desenho, as pestanas que fazes nos teus bonecos, os pés virados para a frente, o cabelo encaracolado. Não vejo a bonita construção que fizeste com folhas e paus que trouxeste da rua. Não vejo o puzzle que conseguiste acabar sozinho.

Às vezes, olho e não vejo o teu sorriso lindo. O teu tom de pele doce. Os teus gestos tão teus.

Às vezes, olho e não te vejo.

Queria ter o teu olhar.

Ajuda-me filho, a ter o teu olhar, a ver a vida traquila e simples.

Ajuda-me a parar, a aproveitar.

Ajuda-me a estar, apenas a estar.