…a encontrarem-se uma vez por ano para fazer o piquenique dos gémeos.

Tinha prometido que havia de falar do encontro de gémeos. Mais de um mês depois cá vai.

Uma vez por ano há um encontro. Uma vez por ano juntamos as famílias. Uma vez por ano ficamos completamente estoiradinhas, mas cheias de sorrisos, imagens e abraços para recordar.

Há uma união entre nós que não se consegue explicar. Há uma ligação que vai para além de sermos só mães de gémeos. Há um respirar e um sentir tão bons, tão saudáveis, tão francos e calorosos que é quase visceral.

Nesse dia preparamos tudo, levamos montes de comida (sobra sempre, é incrível), mantas e tralha, alguns dos putos não dormem a sesta e ao final do dia aterram no carro, saltam, correm, escorregam, gritam, comem batatas fritas que dava para um mês, fazem birras e sobretudo, crescem!

Nesse dia, nós mães, revemos as nossas caras e corpos, sorrimos muito, conversamos muito sempre com a sensação que não estivemos o tempo suficiente com todas, damos miminho  e colinho aos filhos das outras. Nesse dia, os pais juntam-se e até gostam e vêm de lá contentes. Nesse dia, tiramos centenas de fotos e passamos horas a vê-las no computador. Nesse dia prometemos um encontro para breve, o mais breve possível.

As cerejinhas reconhecem cada foto do “piquenique dos gémeos” e lembram-se bem do que fizeram e com quem estiveram. E tal como disse a S, esse dia é o nosso dia. E talvez os nossos filhos se continuem a encontrar nesse mesmo dia, connosco atrás, sem dentes ou com eles postiços, com a algália atrás e xéxés de todo, mas juntos, sempre.

Eu tenho uma paixão por todas estas mães de gémeos que vão, ou queriam ir ou já foram ao encontro. E tenho uma paixão pelos filhos delas, todos.

Adoro-vos.
(hoje estou tão sentimental, pá)

todos

leitão

brincar_com_papá

jú_puchinho

laura

Photos: R e M