Após o estágio (de um dia) para que este ano a praia fosse aproveitada em pleno, cá estamos.

A cerejinha J está definitivamente habituada à areia, fina ou grossa, seca ou molhada.

A cerejinha L enfrentou com coragem o medo das ondas e lá foi ela, de mão dada pela mãe, cheia de vontade. E começou a perceber que era giro fugir das ondas. E era vê-la a correr pela areia de cada vez que vinha uma onda (diga-se que a ondulação máxima estava para aí a 20cm). E nisto, cada vez ia mais para a frente, sendo que 20 cm no caso dela equivale a 1/5 do corpo. Sempre de mão dada.

De repente pediu para fazer este desporto sozinha, ao meu lado, mas sem mãos. Eu deixei e ela corria satisfeita, às gargalhadas, feliz. Até que na viragem de uma das vezes, desequilibrou-se e foi com as mãos ao chão, ou melhor, à areia. E lá foi o primeiro pirolito da vida da rapariga, toda molhadinha. E desatou num pranto, entre o assustada e o desconfortável.

E o que faz a mãe? Agarra-a por onde consegue e tenta confortá-la e….ri-se. Pronto, chamem-me má mãe, o que quiserem, mas que foi engraçado, foi.

Depois de muito colo e de a secar com a toalha, ficou bem. E pronta para continuar na sua descoberta. Mas agora, sempre de mão dada com a mãe.

(e perguntam vocês “então e a foto não é da praia porquê?”

……………………………

(espaço para perguntarem)

Porque ainda não as há e porque o tempo esteve farrusco e onde é que nos fomos meter num dia assim? No shopping!!!!!! Tugas forever!