“Eu é que levo a tocha olímpica” ou “Toma, toma, estou a ganhar, nananaaana”

Na loja de livros em duas partes:

  • Situação 1:

Tinham dezoito meses, era sábado, combinei ir sozinha com as duas comprar o filme do peixinho (o Nemo) à Fnac. Nessa altura já não usavam o carrinho, estacionei perto da entrada da Fnac, fomos até à secção infantil, vimos os livros, brincaram, encontrámos uma amiga, brincaram com as filhas da amiga e no fim, escolhemos o filme para levar. Reparei numas caixas de puzzle, com uma asa de corda e como ainda não tinham nenhum puzzle, toca de levar o dito. A caixa era tão apelativa que as duas a queriam levar, a puxarem o cordão cada uma para seu lado e eu a ver aquilo a abrir-se e a espalhar-se pelo chão e o raio.

  • O que fiz:

Saquei dos meus dotes de negociadora, agachei-me (os meus joelhos estão um horror, porque passo a vida a baixar-me para falar ao nível delas) e expliquei que íamos levar o puzzle até à caixa para pagar, que uma (escolhi eu) levava a caixa e a outra (escolhi eu) levava o dvd até à fila para pagar, e depois lá trocavam e davam as coisas ao senhor. Disseram que sim e lá fomos, eu no meio, elas de cada lado (chama-se andar com as gémeas como se fosse uma balança) com o respectivo artigo na mão.

  • O que deveria ter feito:

Se ia comprar um filme e tinha sido só isso o combinado com elas, era só isso que deveria ter comprado e ter deixado as distracções para outro dia quando estivesse sozinha.

 

  • Situação 2:

Chegadas à fila para pagar, a que tinha a caixa na mão, fugiu a rir-se que nem uma parvinha e a outra que tinha ficado combinado pegar na caixa para dar ao senhor, desata a berrar “A CAIXAAAAAAA” e atira-se para o chão a espernear.

  • O que fiz:

Primeiro, fiquei corada que nem um pimento…vermelho. Depois, pensei “a que está a espernear não sai daqui do chão, vou atrás da outra que ainda é pequena e não corre muito, é o que vale”. Abandonei a drama queen no chão e fui atrás da ranhosita armada em vencedora. Agarrei nela por um braço, passou de sorridente a chorosa, fiquei ainda mais vermelha, voltei para ao pé da outra, agarrei nesta por um braço e meti-a em pé, prendi as duas com as minhas pernas, paguei a porcaria do puzzle e do filme, agarrei nas mãos delas e arrastei-as até ao carro, sempre calada e vermelha, muito vermelha…de raiva. Na fila para pagar, ficou uma rapariga que conhecia em idade casadoira mais o namorado, com aquela expressão de medo por um dia vir a ter filhos assim. Entrei no carro, não abri a boca de tão fula que estava, capaz de as estrafegar e deitei-lhes um olhar tão fulminante que nunca mais me fizeram uma cena destas.

  • O que deveria ter feito:

Ter levado eu as coisas na mão para pagar, porque esta competição entre gémeos de quem é que leva o quê, e tu levas mais coisas do que eu, e o que a mana tem é mais giro do que aquilo que eu tenho, e o teu prato tem mais meia bolacha que o meu, e teu lápis tem mais meio milímetro de bico que o meu e outras parvoíces do género, não faz sentido nenhum e deve ser evitado desde cedo.


 “Tenho mais olhos que barriga” ou “Quero bolos mesmo depois de ter acabado de lanchar crepes”

  • Situação:

Era domingo, tínhamos acabado de lanchar crepes, muitos crepes, com nutella, com açucar e canela, com gelado. Entretanto, não havia pão e eu disse que ia lá abaixo ao pão, quem queria vir comigo. Uma quis ficar em casa, a outra quis ir. Ao descer as escadas, disse-lhe que íamos só comprar pão, mais nada, e que podíamos também passear um bocadinho, o que fizemos logo a seguir. Chegadas à pastelaria, ela vê um bolo de chocolate, enorme e não sei que mais, e diz “mamã, posso comer este bolo?”

  • O que fiz:

Disse-lhe que não, que tínhamos acabado de lanchar e que eu tinha dito que íamos só comprar pão e ela tinha concordado. Começou, claro, a berrar e a chorar “MAS EU QUERO!” e eu voltei a dizer-lhe tudo igual, de forma calma e serena, sem me exaltar. Mesmo quando a senhora da pastelaria perguntou “mas o que tens?” e eu respondi “quer este bolo, mas não foi isso que viemos fazer e como vamos levar pão, se ela tem fome, como depois o pão em casa”. A minha filha continuava a chorar agarrada à vitrine, a senhora da pastelaria continuou o trabalho dela, mas atrás, numa mesa, aquele olhar reprovador de quem acha que a miúda está com fome e aquela mãe não lhe dá de comer.

  • O que deveria ter feito:

Exactamente o que fiz. Porque fiz tudo bem, combinei com ela o que íamos fazer, ela concordou, expliquei-lhe que não lhe comprava o bolo porque ia levar pão para casa e ela tinha acabado de lanchar guloseimas. Falei calmamente, ao nível dela, ignorei a choradeira, ignorei os olhares, voltei para casa calmamente. Não berrei, não usei frases do género “parece impossível, acabaste agora mesmo de lanchar”, não a envergonhei em frente aos outros e chegada a casa, ofereci-lhe pão…e ela aceitou e passou-lhe a birra.


“Meia hora é como meio minuto” ou “Quero ver o ipad a toda a hora e a mana viu muito mais tempo do que eu”

  • Situação:

Só há um tablet…para todos…os cinco. Em geral, como aquilo é meu, sou eu que decido quem vê primeiro e porquê. Aprenderam a perguntar-me antes se podem ver o ipad. Eu tenho que me lembrar quem foi a última a ver e decidir quem vê a seguir, ou se a que está a pedir, tem direito a ver e por aí fora. É verdade, uma mãe também tem algo de juíza para tentar ser o mais justa possível. Passado um bocado, digo para trocarem, porque já é a vez da mana. Mas esta gestão, cansa muito. Porque estou sempre a ouvir, e esta é uma birra típica de gémeos, “a mana esteve muito tempo a ver o ipad”, “eu só vi um vídeo”, “tu deixas sempre a mana ver primeiro”…canseira!!!!  No outro dia, a cerejinha J lembrou-se de ver o ipad, quase na hora de deitar. Eu, que tinha ainda mil e uma coisas para adiantar para o dia seguinte e precisava que estivessem quietinhos, disse que sim. Mas avisei que daí a 10 minutos, quando eu acabasse de fazer as coisas, ela tinha que parar. Quando chegou a hora, e lhe tirei o ipad da mão, mega birra com choro, bater de pés e gritos que eu nunca a deixo ver o ipad muito tempo e que só tinha visto um vídeo e a mana de manhã esteve muito tempo a ver e blábláblá.

  • O que fiz:

Ignorei, levei-a para a casa-de-banho para fazer xixi, lavei-lhe os dentes, meti-a na cama, sempre com ela a chorar. Fui dizendo “eu avisei”, “tu sabias que era por pouco tempo”, até que me passei e disse “Pára!!! Já chega! Amanhã, só por causa desta birra, amanhã não vês o iPad”. E claro, houve ainda mais choro e berreiro.

  • O que deveria ter feito:

Ter resistido à tentação de a ter quietinha com o tablet para poder adiantar as coisas para o dia seguinte e evitar sempre que usem aquilo antes de deitar; não é bom para os olhos e muito menos para o relaxamento necessário antes de ir dormir. Deveria ter-lhe dado um livro para ler antes de deitar, na cama, enquanto eu cirandava pela casa a orientar o dia seguinte. E definir períodos para verem o iPad, de dia, no sofá. O tablet é bom para elas, aprendem inglês, descobrem coisas do mundo, distraem-se, aprendem músicas, tanta coisa. Mas deve ser na altura certa e com o tempo contado.


“Quero experimentar coisas novas na altura errada” ou “Quero aquele bolo cheio de chocolate, mesmo quando a mãe diz que só tem dinheiro para uma coisa, que posso escolher e depois não gosto daquilo”

  • Situação:

A avó estava cá, sugeriu irmos lanchar ao café. Siiiiim, diziam elas. E lá fomos. Disse que podiam escolher um bolo, mas que tinham que escolher bem, porque a avó é que ia pagar o lanche de toda a gente. Uma escolheu um bolo de arroz ou um palmier, já não sei bem, e a outra esteve que tempos a ver os bolos todos, e eu sempre a sugerir um igual ao da mana e tal e coisa. Ela acabou por escolher uma pirâmide de chocolate, perguntei várias vezes se tinha a certeza, porque nunca tinha provado e era um bolo com muito chocolate. Disse sempre que sim e bateu o pé, que era esse que queria. Deixei. Deu duas dentadas, ficou farta e enjoada, e não quis mais. Pediu então um palmier.

  • O que fiz:

Não a deixei comer outro bolo, expliquei-lhe que tinha sido a decisão dela comer aquele bolo que nunca tinha provado, que a mamã a tinha deixado escolher livremente e que ela optou por um bolo que não conhecia, que não podemos andar a trocar e a estragar comida sempre que não gostamos. Ofereci-lhe o meu bolo, para a avó não gastar mais dinheiro. Ela não quis. Chorou muito. A avó acabou por lhe dizer que a deixava comer um palmier, como a mana para ela lanchar. Ela aceitou, comeu e parou de chorar.

  • O que deveria ter feito:

Não sei. Achei que dizer-lhe que deveria aguentar com as consequências de uma má escolha, talvez fosse algo difícil de perceber para uma criança de 4 anos. Achei que não a deixar comer outra coisa e ficar com fome, talvez fosse demasiado intransigente. Achei que afinal quem ficou com o papel de boazinha, foi a avó. Mas também é para isso que elas servem. Talvez devesse deixá-la comer outra coisa, explicando o que estava certo e errado. E depois, se um dia voltasse a acontecer, fazer-lhe recordar deste episódio. Mas nunca mais aconteceu…e também não sei se ela se lembraria. Como ouvi uma amiga dizer “não podemos ganhar sempre”.


A completar pelo leitor:

  • “não quero comer a sopa”
  • “não quero vestir calças, nem casacos azul escuro, nem camisolas sem brilhantes e lacinhos e coisas cor-de-rosa”
  • “não quero tomar banho e depois não quero sair da banheira”