…desde quando cresceste tanto.

Sabes que às vezes estás a falar comigo e eu não te oiço? Queres saber porquê?

Porque te estou a observar, estou a ver todos os teus jeitos e gestos, estou a memorizar todos os teus movimentos, estou a pensar em como ainda há poucos dias eras só um bebé e agora és uma pessoa tão crescida.

Falas comigo, contas-me o teu dia, fazes teorias, apresentas conclusões, fazes perguntas, muitas perguntas, dizes o que pensas , o que te vai na cabeça, és livre, queres descobrir tudo no mundo, tens medos, tens curiosidade, precisas de abraços, saltas e pulas, corres e dás cambalhotas no ar. Observas tudo à tua volta, ouves a natureza com atenção, queres fazer tudo sozinha, queres que eu te veja e oiça, queres estar comigo.

Todas as horas dizes uma palavra nova, queres conjugar verbos que te saem ao lado, queres dizer o que vês e o que pensas, chamas as coisas pelos nomes e se não sabes, descreves o que vês, emocionas-te por ver uma formiga ou por descobrires a lua, inventas histórias com um pau e uma bola, queres ajudar a fazer o almoço, queres fazer tudo o que se faz em casa. Queres estar sempre a sorrir.

Diz-me lá como é que eu posso aproveitar mais o teu crescimentos, diz-me lá se estou a perder alguma coisa, se quando chegas ao pé de mim a dizer “mãe, sabes uma coisa?”, eu perdi alguma coisa, se não estive atenta, se não te dei atenção, diz-me por favor, ajuda-me a observar e a parar. Quero viver devagar. Quero que o tempo passe devagar. Quero aproveitar.