Antigamente, a malta desta casa, ou melhor, eu e o meu mais-que-tudo escapávamos muito. Não somos assim de viagens de avião, somos mais de partir de carro numa viagem pela Europa, parando em qualquer lado, sem hotel marcado. Ha quem viaje para visitar museus, para caminhar, para fazer compras e depois, há gente como nós, que viaja para comer e para trazer comidinha (nem vos digo o que trouxemos de Itália). Também gostamos muito de escapadelas cá dentro, muitas vezes para que ele também conhecesse hotéis e restaurantes que eu já tinha experimentado em trabalho. Antigamente, tínhamos dinheiro para isso.

Depois nasceram as cerejinhas e as viagens de carro, ficaram para um qualquer dia, quando fossem maiores. As idas ao Fundão começaram a contar como escapadelas, fomos uma vez a Lisboa, fomos de férias para o Algarve. E fomos uns dias para o Minho, mesmo à beira de um rio, num loft todo moderno, com um pequeno-almoço muito bom, tudo para ser fantástico…não fosse um rato passar-nos à frente quando estávamos a dar leite às miúdas; elas tinham um ano e pouco, andavam sempre pelo chão, chupetas incluídas…haviam de ver o pai cerejo atrás do rato com uma vassoura porque eu não me calava e eu com as duas ao colo perto da porta…e o que fiz? deixei um cheque, arrumei tudo em 15 minutos e voltámos para casa a meio da noite. Surreal! A dona da casa ainda disse que não conseguia perceber como é que o rato incauto tinha conseguido escapar à guarda de dez bichanos; eu respondi que a asae ia gostar muito de saber que o controlo anti-pragas dela eram dez bichanos…que não queriam saber do rato para nada porque estavam bem alimentados pela dona. Só comigo! Aliás, eu e os turismos rurais temos uma relação muito especial. Uns anos antes, quanto andávamos em tentativas de engravidar, fomos para um desses turismos, sem tv…pronto, era para comer e procriar, basicamente. Não é que tinha uma osga a viver no magnífico tecto de madeira por cima da cama?? Era uma osga mirone!

Depois, houve uma mudança profissional e deixámos mesmo de ter euros para escapadelas e passeatas. Quando vamos, escolhemos bem, levo comida e bebida para não gastar em cafés, piqueniquamos. Tento que seja pelo menos uma vez por mês. Agora a juntar à gastronomia, temos outro motivo para passear: actividades com crianças.

Mas tenho esperanças que voltemos a ter euros para as escapadelas. E mesmo assim, continuará a ser em versão low-cost que já somos muitos a gastar. Tenho pena que não seja já este mês, pois podia ser a prenda de aniversário das cerejinhas. Ainda pesquisei hotel+jardim zoológico, num hotel lá perto e não era nada caro, numa suite familiar, mas ainda assim fica mais barato a festa e as prendas. Talvez em Setembro, quando eu fizer anos…Costumo ficar em casa de uma amiga, que é sempre tão querida a oferecer a casa, mas agora já somos muitos…

Este mês então escolhi o festival i em Águeda onde já tínhamos estado o ano passado e adorámos. Este ano, os espectáculos não foram tão bons, mas o espaço é muito bom e depois ainda demos uma volta pela cidade. A canseira foi tanta (e o calor) que a filharada dormiu a santa noite toda; aliás,, a cerejinha L deitou-se depois de lavar as mãos e a cara, de ter mudado de roupa e só acordou no dia seguinte, nem jantou!