Cheira-me a cerejas Dicas do cerejal

Dicas do cerejal #2 – sítios para comer em Coimbra

27 Novembro, 2015

Houve um tempo em que os amigos me telefonavam para aconselhar restaurantes, aqui em Coimbra, ou por esse país fora. Houve um tempo em que eu dominava aí a cena dos restaurantes novos, dos renovados e dos clássicos. Depois os tempos mudaram e passaram a ligar-me para aconselhar com cenas da maternidade e afins. Coisas da vida. Apesar disso, continuo a gostar de aconselhar sítios para bem comer e onde uma pessoa se sinta bem; aquele género de sítio onde nos tratam mal, mas a comida é boa, não pega comigo (a não ser o restaurante goês na Figueira da Foz onde o homem era intratável, mas a comida era de facto muitooo boa). Assim sendo, hoje segue uma lista de sítios em Coimbra onde a mamã cereja gosta de ir, mas não vai assim tantas vezes porque não tem orçamento para isso…

O Japonês – desde o primeiro dia, desde a abertura que adoro o japonês. A decoração, o sushi, a Sara, o menú de almoço, as sobremesas, o sushi, os espaços, a simpatia, o sushi (estou a repetir-me, mas o que interessa mesmo num restaurante japonês é que o sushi seja bom, e aqui é mesmo bom)

O Fangas – desde os primeiros meses, desde que era só um cantinho com poucas mesas que adoro este sítio para petiscar. A chouriça, os vinhos, os queijos, a Luisa, a decoração, a simpatia, o local e o horário. E também gosto muito quando está cheio de turistas, porque sei que vão muito bem impressionados de Coimbra.

O Dux (o da baixa) – desde que abriu na baixa que adoro este restaurante. Assim também na onda do petisco, mas muito bom também ao almoço com prato do dia a preço simpático, os vinhos, a simpatia, as sobremesas, o Pedro, a localização, o conceito.

O Sereia – desde há uns anos, nem sei bem porque começámos a ir lá, acho que é por ficar ao lado do Atenas, gosto da comida tão caseira, do caril, do Sr António e do Sr Júlio, das sobremesas, do balcão em U, das sobremesas, da canja, das sobremesas (a Dona São foi pasteleira noutra vida e faz doces tãoooooo bons). Só não gosto nem um pouco da sala lá dentro, das cadeiras e das mesas, mas não sou eu que mando.

O Via Lusitânia – desde há uns tempos, porque fica ao lado da casa de uns amigos, gosto do bolo de bolacha, da comida caseira, da paciência para a criançada, da Sara, do Sr Ulisses, do Sr João, gosto da localização.

O Atenas – foi lá que me ajuntei aos amigos do pai cerejo, é lá que a malta do teatro se reúne depois dos ensaios e espectáculos, é lá que se comem as melhores francesinhas e batatas fritas pála-pála de Coimbra e arredores, a cerveja é boa, gosto do Zé, gosto do sítio, gosto das pessoas que lá vão, gosto da malta do Atenas.

O Paço do Conde – descobri este paraíso do grelhado por via da falta de orçamento, é barato e alimenta bem, fica na baixa onde nós adoramos andar e as pessoas são simpáticas.

As Escadas de Montarroio – ao almoço, comida caseira, com diária baratinha e tudo incluído, gosto da Jacinta e família, gosto do sítio, gosto das pessoas que lá vão, gosto de almoçar em mesas corridas com gente diferente, gosto da canja, gosto das sobremesas e as cerejinhas gostam do filhote.

E o melhor restaurante de todos é:

A Tasca do Cerejal – não é aberto ao público, funciona só por marcação, tem estado fechado e há muito que não leva lá gente a comer, mas tem que reabrir os convites, a comida é caserinha, oriental às vezes, picante q.b., diversificada, pouco fast e muito slow, às vezes é qualquer coisa grelhada ou cozida para despachar, é caótica e barulhenta, com a toalha cheia de nódoas, vinho barato e guloseimas, lareira no inverno, um aspirador canídeo para o que cai no chão, birras à mesa, berros à mesa, gargalhadas e muitos elogios do género “papá, está delicioso!”.

(uma seleção de fotos de comida do cerejal para meter nojo, eheheh, do género irritante)

Este slideshow necessita de JavaScript.

  • Responder
    Kelle
    30 Novembro, 2015 at 11:41

    Acrescento à lista o Tapas nas Costas (só fui uma vez e gostei) e o que vou mais vezes, talvez por ser perto de casa, o Cordel (no alto de Santa Clara perto do Centro de Saúde).

    • Responder
      mamã cereja
      30 Novembro, 2015 at 12:39

      Ainda não fui ao Cordel mas oiço falar muito bem, a experimentar, obrigada!

  • Responder
    Fernando Ribeiro
    28 Novembro, 2015 at 0:26

    Como tudo na vida, os costumes vão mudando sem que nós nos apercebemos duque muda, uns fecham e outros mudam de gerência e nós também chegamos a uma certa idade e começamos a mudar de avitos e costumes que fazíamos no antigamente e assim ficamos um pouco á margem da realidade que se passe hoje em dia, mesmo assim ainda indicas aos teus amigos zonas de restaurantes onde se pode escolher uma boa cozinha portuguesa.
    Dizes que realmente não vais tantas vezes porque o orçamento está cada vez mais baixo, realmente tudo está a fugir a passos largos da nossa carteira.
    Força amiga a vida será sempre boa desde-que tenhamos connosco a saúde e o amor.
    Um abraço amigo

    • Responder
      mamã cereja
      30 Novembro, 2015 at 12:39

      Obrigada!

  • Responder
    Ana
    27 Novembro, 2015 at 23:28

    O Telheiro, Tasquinha do Aires, Toscana

    • Responder
      mamã cereja
      30 Novembro, 2015 at 12:38

      Eh pá, devo confessar que o Telheiro não é nada o meu género, muito pouco espaço entre as mesas e muito barulho, mas a comida é boa. Obrigada pelas sugestões!

Comentar é aqui

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Instagram

Seguir

%d bloggers like this: